Tem uma vida de stress? Veja a importância dos antioxidantes!

Av José Estêvão, 315
Gafanha da Nazaré
Telefone234 09 42 39
Telemóvel919 44 12 90
08/27/2019 - 19:53

O nosso corpo vive em transformação, muitas reações químicas fazem com que haja formação de espécies reativas de oxigénio, que chamamos de radicais livres,consistem em moléculas desalinhadas, confusas, sem sintonia, que podem prejudicar diferentes tipos de células. Esta reacção enzimática está ligada a vários tipos de doenças, as pesquisas científicas concluem que uma dieta balanceada e rica em antioxidantes pode reduzir risco de doenças.

 

OS RADICAIS LIVRES...
Os radicais livres, podem provir do meio externo – stress, radiação solar, poluição, tabaco, ou ser produzidos internamente, resultantes do nosso metabolismo energético. Os radicais livres são substâncias instáveis, que reagem com tudo o que as rodeia, nomeadamente as nossas células ou moléculas de que estas necessitam, o que deteriora a nossa saúde geral.

 

Antioxidantes

 

OS ANTIOXIDANTES...
Para auxiliar o nosso organismo no combate a essas substâncias, existem os antioxidantes, capazes de estabilizar os radicais livres sem eles próprios se tornarem nefastos ou instáveis.
O papel do antioxidante é trazer equilíbrio a célula, fazer com que os compostos trabalhem sincronizados e com sinergia, trazendo a homeostase (o corpo trabalhando em equilíbrio) para o ambiente celular, evitando assim doenças como cancro, diabetes, cataratas, artrite, envelhecimento precoce, doenças cardiovasculares, Alzheimer e Parkinson.

 

ANTIOXIDANTES ENDÓGENOS
O nosso organismo dispõe de antioxidantes internos, contudo uma alimentação que forneça antioxidantes é sempre um reforço à defesa do organismo, principalmente em situações em que a exposição aos radicais livres é maior, ou em que o nosso corpo se encontra mais debilitado e as nossas defesas naturais diminuídas, por exemplo situações de doença.

No que toca aos antioxidantes endógenos, temos:

  • SOD (superóxido dismutase);
  • catalase;
  • CoQ10 (coenzima Q10);
  • ALA (ácido alfa-lipóico) e
  • Glutationa peroxidase (juntamente com a glutationa), sendo esta última considerada o principal antioxidante endógeno.

 

O QUE CAUSA O APARECIMENTO DE RADICAIS LIVRES?
O meio externo em que vivemos é nocivo para as nossas células, doenças crónicas, poluição, stress, exposição solar contínua, alimentação inadequada, consumo de álcool e tabaco, mesmo indiretamente, contribui para aumento da produção de radicais livres.
    
CONSEQUÊNCIAS DOS RADICAIS LIVRES
Quanto mais uma pessoa fica exposta a esses fatores externos, maior a quantidade de radicais livres que se acumulam em seu corpo, podendo causar envelhecimento precoce, doenças cardíacas, doenças pulmonares, câncer, enfarte do miocárdio e alguns tipos de anemia.
    As substâncias antioxidantes são capazes de combater a ação dos radicais livres e inibir a oxidação celular. Tais nutrientes são encontrados com facilidade em diversos alimentos e agem como protetores das nossas células, impedindo reações químicas iniciadas pelos radicais livres.

Seguem alguns exemplos:

  • Vitamina C: resposta imunitária e auxilia na absorção das vitaminas A e E (frutas cítricas, vegetais verdes escuros);
  • Vitamina E: eficiência em altas concentrações de oxigénio (gérmen de trigo, abacate, amêndoas, gemas de ovo, nozes);
  • Selénio: resposta imunitária, prevenção de cancro, artrites e doenças cardiovasculares (castanha do Brasil, frutos do mar, carnes e aves, fígado);
  • Beta-caroteno: convertido em retinol, protege dos danos dos raios UVA e UVB e essencial para visão (tomate, batata doce, cenoura, abacaxi, espinafre, damasco);
  • Zinco: melhora sistema imunitário e auxilia no metabolismo proteico (carnes, aves e peixes, leites, cereais integrais, leguminosas);
  • Flavonóides: auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares e inibição de hormonas precursoras do cancer o(chá verde, uvas, frutas cítricas);
  • Ómega 3: primordial no metabolismo de gorduras e produção energética (alimentos marinhos, óleo de linhaça nozes e peixes);
  • Isoflavonas de soja: combatem enzimas cancerígenas e evitam acumulação de estrogéneos (soja).

 
O QUE FAZER?
Devemos inserir diferentes tipos de antioxidantes na nossa alimentação, com horários propícios, para o máximo de absorção das qualidades dos alimentos.
Muitos nutrientes exercem esse papel, como ferro, zinco, vitaminas A (Beta-Caroteno) e C, selénio, ou seja, devemos incrementar nossas refeições com carnes vermelhas, frutas cítricas, verduras verdes escuras, oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas), frutas e verduras amarelo alaranjados.

VANTAGENS NA SUA TOMA
Os probióticos são cada vez mais aceites pelos profissionais de saúde, pois, tem comprovado a sua eficácia no

  • controlo de infeções gastro-intestinais nomeadamente na supressão de infeções causadas pela bactéria Helicobacter pylori;
  • no estímulo da motilidade intestinal;
  • na melhoria da absorção de determinados nutrientes e da intolerância à lactose;
  • na diminuição de recidivas de infeções vaginais;
  • na diminuição dos níveis de colesterol;
  • têm efeito anti-cancerígeno e
  • estimulam o sistema imunitário.

 
DE ONDE PROVÊM?
As culturas de probióticos são originárias do intestino humano e animal, sendo as mais usadas os géneros Lactobacillus e Bifidobacterium. Nos suplementos alimentares as mais usadas são as espécies Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus rhamnosus e Lactobacillus casei.

 

Probioticos

Na natureza os probióticos encontram-se em produtos fermentados, como o iogurte, kefir, tempeh, miso, chucrute e pickles (fermentados), e são consumidos há muitos anos por vários povos. O ideal seria que a sua ingestão fosse através destes alimentos, no entanto sabemos que nem todas as pessoas os ingerem da mesma forma ou com tanta frequência quanto o necessário.
A ingestão de probióticos também pode ser feita através de iogurtes e bebidas lácteas, como sejam produtos com o propósito de regularizar o trânsito intestinal ou outros com o objetivo de fortalecer as defesas imunitárias do organismo, atuando na flora intestinal.


 
AS APRESENTAÇÕES FARMACÊUTICAS QUE ENCONTRA NO MERCADO
Os suplementos probióticos, como são preparados em ambiente controlado, têm a vantagem de ser estandardizados, o que assegura a sua qualidade e dosagem específica. Trata-se ainda de uma forma de consumo mais rápida e mais fácil para o consumidor final. O encapsulamento de bactérias benéficas vivas tem ainda a vantagem de os produtos serem mais estáveis, geralmente não necessitando de ser mantidos no frigorífico, e ainda de garantir que sobrevivam ao ambiente ácido do estômago, conseguindo atingir o intestino delgado com viabilidade. Sabe-se ainda que um probiótico de multiestirpes pode ser mais vantajoso, pois tem mais benefícios e consegue atuar em mais áreas do trato gastro-intestinal, além de se ser benéfico para uma maior gama de desordens digestivas.
Os produtos à base de probióticos encontram-se sob várias formas, desde em pó, cápsulas, comprimidos e suplementos dietéticos/alimentares. As formas farmacêuticas contendo probióticos devem assegurar a resistência destes microrganismos às condições fisiológicas adversas garantindo a sua viabilidade e eficácia.


 
NÃO ESQUECER DOS PREBIÓTICOS
Prebióticos são substâncias não digeríveis que estimulam o crescimento e/ou atividade potencial dos probióticos. Normalmente são compostos produzidos pelas plantas, como a inulina e fruto-oligossacáridos, e também são considerados fibras. Embora não sejam digeridos, os prebióticos ajudam a manter a flora intestinal benéfica ativa, a melhorar processos digestivos e a equilibrar a assimilação de nutrientes. São exemplos de prebióticos alimentos como alho, cebola, banana, aveia, alho francês, vegetais e alimentos com fibras (frutas com casca).

 

Farmácia | Medicinas Alternativas | Homeopatia | Osteopatia | Fitoterapia | Produtos Naturais | Alimentação

Águeda | Albergaria-a-Velha | Anadia | Arouca | Aveiro | Castelo de Paiva | Espinho | Estarreja | Ílhavo | Mealhada | Murtosa | Oliveira de Azeméis | Oliveira do Bairro | Ovar | Santa Maria da Feira | São João da Madeira | Sever do Vouga | Vagos | Vale de Cambra